Esterilização

 

O que é esterilização

 

A esterilização ou castração é uma cirurgia que impede definitivamente a procriação e a ocorrência do cio. Deve ser feita tanto em fêmeas quanto em machos, e é realizada somente por um médico veterinário.

O animal deve estar em jejum, conforme orientação médica. A cirurgia é realizada sob anestesia geral, e consiste em retirar todo o aparelho reprodutor das fêmeas (útero e ovários), e nos machos, os testículos. Atualmente, muitos veterinários utilizam uma nova técnica para a esterilização das fêmeas, na qual o corte é menor (técnica Mackie), tornando a cirurgia e a recuperação mais rápidas. Vale a pena consultar o seu veterinário.

Pós-operatório

Após a cirurgia, o animal deve repousar e evitar esforços. Deve ficar protegido do sol, da chuva, do vento e longe de escadas. Até que o animal volte da anestesia não se deve inserir nada em sua boca. A recuperação dos machos se dá em um ou dois dias.

Já as fêmeas, como a cirurgia é mais delicada, necessitam de maiores cuidados na primeira semana e atenção até a cicatrização completa. Os filhotes recuperam-se rapidamente. Deverá ainda tomar analgésicos e antiinflamatórios, conforme orientação veterinária.

Cio

Em torno dos oito meses inicia-se o período fértil do animal, que é marcado pelo cio, fase em que a fêmea fica pronta para cruzar e ter filhotes. Nas cadelas, o período fértil ocorre entre o nono e o décimo segundo dias do cio, e ocorre, aproximadamente, a cada seis meses. Nas gatas, tanto o período de ocorrência do cio quanto o fértil, é variável (o fértil dura em torno de 15 a 21 dias).

Estima-se que, tanto gatas quanto cadelas, podem gerar, em média, 12 filhotes ao ano. Entretanto, há que se considerar que o número de filhotes por ninhada varia de acordo com o porte dos pais, ou seja, animais de porte pequeno tendem a ter uma prole pequena, e os de porte grande, uma prole com mais filhotes, o que pode fazer com que uma fêmea tenha mais que 12 filhotes ao ano.

Observa-se que, por conta dos hormônios, o período reprodutivo ocasiona fugas, brigas e marcação de território, o que ´é sempre desagradável para os animais e para os humanos.

Triste realidade

Todos os anos milhares de cães e gatos são abandonados no Brasil. Em São Paulo menos de 10% são adotados, e para o restante o que sobra é o sacrifício. Todos os abrigos existentes estão lotados de cães e gatos amorosos, desesperados por um lar e uma família.

Corta-nos o coração quando vemos mais um bichinho abandonado, atropelado ou todo coberto de sarna. Mas muitas pessoas acham que a maneira mais fácil de ficar sem a ninhada indesejada, é abandoná-la nas ruas, praças ou nos canis municipais, sem pensar nas situações adversas que os filhotes enfrentarão até a (provável) morte prematura e injusta.

Infelizmente, ainda tem muitas famílias que deixam seus animais procriarem, com a “desculpa” de que querem um filhote. Porém, somando o trabalho à falta de tempo e dinheiro, essas famílias acabam querendo se livrar o quanto antes da ninhada, não selecionando bons proprietários. Nesse caso, se desejam realmente ter mais um bichinho em casa, é tão simples, basta adotar um, já que mais de cem cães e gatos são sacrificados por dia.

Outras, querem aproveitar a gravidez da cadela ou da gata para ensinar sobre o “milagre” da vida aos filhos. Isso seria muito bonito se houvessem lares responsáveis para todos os filhotes. Já outras, dizem que sempre conseguem doar todos os filhotes, mas a verdade é que nem sempre é possível conseguir um proprietário responsável para todos os filhotes. Além do mais, os filhotes crescerão e terão outros filhotes, multiplicando o problema, e a pessoa não estará lá para garantir um lar para todos. E quem garante que o novo dono será responsável ou que o fim desse filhotinho não será a rua e o sofrimento? É necessário encontrar proprietários responsáveis que cuidem do animal durante toda a vida dele e que impeçam a procriação.

Quando há muitos animais circulando pelas ruas, o Centro de Controle de Zoonoses (carrocinha) é obrigado a recolhê-los, para que não mordam as pessoas, nem transmitam doenças. E a maioria dos animais recolhidos são mortos.

Essa realidade é muito triste, pois centenas de cães e gatos nascem todos os dias, mas, apenas um a cada seis consegue um lar.

Estudos realizados nos EUA, mostram que para cada 415 bebês nascidos por hora, há entre 2 mil e 3 mil cãezinhos e gatinhos novos. Isso significa que 60 mil animais devem morrer por dia para que a população se mantenha estável nas cidades.

E mais, estima-se que uma cadela pode dar origem a 67 mil cães em um período de 6 anos! Isso pode ocorrer porque, por exemplo: uma fêmea tem cinco filhotes, cada filhote quando atingir a idade madura, irá se reproduzir, esses novos filhotes, também irão se reproduzir quando chegarem à idade adulta, e assim, sucessivamente. A cadela inicial, por sua vez, continuará se reproduzindo e gerando novos filhotes e também se reproduzirão. O crescimento se dá em progressão geométrica, tornando difícil o controle. E a cidade, infelizmente, não está preparada para receber toda essa população animal. Com a taxa de natalidade descontrolada, aumenta-se o número de abandono, de sacrifícios, de atropelamentos, maus-tratos, etc.

Assim, a esterilização mostra-se como a solução mais rápida e eficaz, acompanhada, é claro, do trabalho de conscientização dos proprietários e das pessoas em geral. E a conscientização contra essa dolorosa realidade começa em nossa própria casa. Não devemos esperar que nosso bichinho dê primeiro uma cria para só depois castrá-lo, devemos fazê-la o quanto antes, deixando de contribuir para essa triste realidade.

A esterilização faz parte do Programa Saúde do Animal desenvolvido pela Prefeitura de São Paulo, e está entre os cuidados que um proprietário responsável deve ter com o seu animal. Além das campanhas de esterilização, existem clínicas veterinárias com preços bem acessíveis.

A esterilização é menos traumática que a repressão dos instintos sexuais dos animais a cada cio ou a eutanásia sistemática de filhotes e animais adultos.

Vantagens da esterilização

- Aumenta o tempo de vida do animal;

- Diminui os riscos de transmissão de doenças sexuais;

- Diminui o risco de tumores de mamas e útero nas fêmeas e o risco de hiperplasia de próstata e tumores nos testículos nos machos;

- O animal fica mais tranqüilo;

- O cio deixa de ocorrer;

- Diminui o risco de fugas atrás das fêmeas;

- Diminui a necessidade de marcar território por meio da urina no ambiente, bem como o odor característico;

- Diminui o problema de latidos, uivos e miados excessivos.

Respostas às dúvidas freqüentes

1. O animal não sofre, porque, no pré-operatório, ele recebe anestesia geral, e após é medicado com analgésicos.

2. Os animais castrados ou esterilizados continuam tomando conta da casa como antes, pois o instinto de preservação e proteção continuam inalterados.

3. O animal não engorda em razão da cirurgia, mas sim pela diminuição das suas atividades físicas. Passeios, corridas, caminhadas e brincadeiras são bem-vindas.

4. Pesquisas comprovam que ter primeiro uma cria, para depois castrar, não acrescenta saúde ao animal, tão pouco aumenta o tempo de vida, pelo contrário, ao serem esterilizados reduzem riscos de doenças, e no caso das fêmeas, reduzem em mais de 90% risco de terem câncer de mama ou de útero.

5. Após o término do cio e mesmo o animal tendo cruzado e ficado prenhe, a cirurgia pode ser realizada, devendo ser marcada o quanto antes.

6. A partir dos dois meses de idade os filhotes já podem ser esterilizados, tanto machos quanto fêmeas. A cirurgia nos filhotes é mais rápida, simples e sua recuperação também.

7. Os filhotes esterilizados crescem e se desenvolvem normalmente.

8. Após 30 dias que a fêmea pariu, ela já pode ser esterilizada. Com as gatas deve-se tomar muito cuidado, pois mesmo durante a amamentação podem apresentar outro cio e engravidar.

9. O uso de anticoncepcionais (indicado somente por médicos veterinários) por longo período de tempo, pode ocasionar efeitos colaterais indesejados, desencadeando uma doença grave no útero.

Idade para esterilizar o animal

A cirurgia já é possível a partir dos 2 meses de idade. O ideal é marcá-la após 15 dias da primeira ou da segunda dose das vacinas.

Onde esterilizar o seu animal

Além das campanhas realizadas, onde a cirurgia é feita gratuitamente, é possível realizar a cirurgia em seu animal por meio do Programa Saúde do Animal, em uma das várias clínicas veterinárias credenciadas, com preços bem acessíveis. Para maiores informações acesse o site: www.programasaudedoanimal.com.br ou ligue para 6224-5500 / 6224-5551 ou contate uma das entidades protetoras a fim de obter indicações de clínicas ou datas de campanhas.

Lembre-se:

 - A esterilização é a forma mais rápida e eficaz de evitar crias indesejadas, o abandono e o sacrifício de animais. 

- Você é peça fundamental para difundir essa alternativa e salvar muitas vidas!

- Abrigo não é solução.

- Animal não é brinquedo.

- Animal não é presente, a não ser que você tenha total certeza de que a pessoa a ser presenteada deseja o animal e vai assumir a responsabilidade de cuidar dele por toda sua a vida (em média 15 anos).

- Adote um animal ao invés de comprar e incentive os amigos que querem um animal a fazerem o mesmo. Um animal vale pelo amor, não pela raça.

- Quem ama cuida!

 

Seja parte da Solução

Banner
Banner

Enquete

Microchip nos animais